Controle de transmissão de vírus com umidificação de ambientes? Entenda a relação:

Durante o outono e inverno, é comum o aumento no número de casos de problemas respiratórios e gripe, causada pelo vírus influenza. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a gripe continua sendo um dos maiores desafios de saúde pública, acometendo aproximadamente 1 bilhão de pessoas a cada ano e provocando de 290 mil a 650 mil mortes por doenças respiratórias relacionadas.

Atualmente, lidamos com os impactos da pandemia do novo coronavírus e desponta uma preocupação geral com medidas que possam proteger as pessoas da contaminação, especialmente em lugares de grande circulação.

Você sabia que um dos caminhos possíveis é o controle de transmissão dos vírus com umidificação de ambientes? Vamos explicar mais detalhadamente essa relação.

Muitos vírus transmitidos pelo ar demonstraram ser sensíveis à umidade ambiente e, estudos revelam que quanto maior essa umidade relativa, menor o mecanismo da propagação. O papel da umidade relativa do ar, por exemplo, na transmissão de influenza, já apresentou resultados positivos em ambientes onde a taxa de infectividade foi diminuída de 77,3%, numa umidade relativa abaixo de 23%, para até 14,6% numa umidade relativa acima de 43% (vide gráfico abaixo).

De acordo com o estudo sobre o vírus influenza publicado pelo pesquisador e líder do Programa de Transmissão de Doenças Infecciosas no Setor de Alergia e Imunologia na Clínica do Instituto Nacional de Segurança Ocupacional e Saúde em Morgantown (Vírginia Ocidental, EUA), John D. Noti, em ambientes com baixa umidade relativa a taxa de infecciosidade do vírus alcança sua máxima, já em ambientes com altos níveis de umidade, a inativação ocorre rapidamente após a tosse.

Até mesmo as chamadas partículas de aersossol, menores que 4µm, que possuem potencial de permanecer por maior tempo em suspensão nas correntes de ar e percorrer distâncias mais longas do que as partículas maiores, a alta umidade inativa rapidamente as pequenas partículas.

Esses fatores indicam que manter um ambiente com umidade relativa >40% reduzirá significativamente a infectividade do vírus em aerossol.

gráfico

Gráfico 1. Noti JD, Blachere FM, McMillen CM, Lindsley WG, Kashon ML, et al. (2013) High Humidity Leads to Loss of Infectious Influenza Virus from Simulated Coughs. PLoS ONE 8(2): e57485. doi:10.1371/journal.pone.0057485

Um outro ponto a ser lembrado é que os vírus se disseminam pelo ar por meio de microgotas e estudos mostraram que essas microgotas ao chocarem-se com outras microgotas, por exemplo de água pulverizada, ficam mais pesadas e caem ao solo mais rapidamente, diminuindo-se ainda a probabilidade de propagação da doença pelo ar.

Vejamos o caso de uma clínica para idosos que recorreu à umidificação com solução de pulverização profissional para diminuir a quantidade de idosos infectados.

Clínica de idosos controla transmissão de vírus com umidificação

Para evitar a infecção por influenza no Asai Care Center, clínica de saúde localizada em Togane, no Japão, a equipe costumava colocar toalhas molhadas ou equipamentos de umidificação domésticos nos ambientes. Mesmo assim, todos os anos, entre 6 e 7 idosos eram infectados devido ao baixo de nível de umidade relativa do ar. O trabalho extra necessário para cuidar desses idosos infectados, mais o trabalho extra para repor constantemente os umidificadores com água, resultou em um serviço insatisfatório para os outros idosos. Assim, um sistema alternativo de umidificação foi procurado.

Instalou-se o sistema de umidificação com tecnologia exclusiva MiniFogger®. Assim, não foi mais necessário o trabalho extra para encher os umidificadores ou colocar toalhas molhadas.
Com um controle de umidade otimizado, a umidade relativa do ar tornou-se adequada e permanente em um espaço amplo, incluindo um salão de reuniões e todos os cômodos. Importante ressaltar que nesse caso do Japão, apenas água foi utilizada no pulverizador.

Spraying Systems e a importância do know-how em pulverização

O caso da clínica ilustra bem a importância de recorrer a empresas que têm expertise no que estão propondo. A Spraying System é líder mundial em tecnologia de pulverização precisa e investe continuamente em inovação, possibilitando oferecer aos nossos clientes as melhores práticas mundiais.
Somo a única empresa no Brasil com Laboratório de Pulverização e equipamentos como mesa de distribuição e Medidor de Gotas Phase Doppler. Essa estrutura nos permite testar e comprovar as nossas soluções. Nossos bicos spray são projetados com o uso de CFD e Phase Doppler. Com isso, conseguimos assegurar um detalhe importante para o êxito das soluções de pulverização que é o tamanho da gota.

Afinal, por que o tamanho de gota é importante?

Porque com um mesmo volume, quando dividimos o diâmetro da gota pela metade, a superfície de contato aumenta 8x. Isso é importante para produzir uma distribuição padronizada (CV) de gotas sobre uma superfície promovendo cobertura completa com um gasto mínimo de energia e tempo.

Quer saber mais sobre a possibilidade de controle de transmissão de vírus com a umidificação de ambientes? Fale com os especialistas da Spraying Systems. Por que o tamanho de gota é importante?

Spraying Systems

Autor Spraying Systems

Mais posts de Spraying Systems

Deixe seu comentário